A Ciência do Bem-Estar: Câncer | Run Fitness Club

A Ciência do Bem-Estar: Câncer

Você sabia que os benefícios dos exercícios físicos vão muito além do combate aos quilos extras e às gorduras indesejadas? Sim eles podem te ajudar tanto na prevenção quanto na recuperação de um câncer!

De fato, além do seu papel em doenças como a obesidade e a hipertensão, o exercício pode ser o seu maior aliado na promoção de saúde e na prevenção de outros males que atingem a sociedade atual, como o câncer, a depressão, a ansiedade e a osteoporose.

Nós da RUN acreditamos que conhecimento é poder, por isso, convidamos você a acompanhar uma série de textos que vamos desenvolver a partir de hoje para explicar como você pode, com a ajuda do exercício físico, prevenir esses e outros problemas da vida moderna.

Esperamos que ao final dessa série você se convença dos benefícios da prática regular de exercícios para o corpo e também para a mente e esteja apto a fazer as melhores escolhas para a sua saúde e qualidade de vida.

PRECISAMOS FALAR SOBRE O CÂNCER

Precisamos falar sobre o câncer, SIM!

Você sabia que o câncer é uma das principais causas de morte no mundo? Só para você ter uma ideia, os dados mais recentes registraram mais de 14 milhões de novos casos e 8,2 milhões de mortes relacionadas a essa doença. Nas próximas duas décadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê um aumento de 70 % no número de novos casos de câncer, chegando a mais de 21 milhões de novos casos em 2032. Além disso, ao contrário do que muitos imaginam, aproximadamente 60% dos novos casos de câncer acontecem em países em desenvolvimento como o Brasil. O Instituto Nacional do Câncer (INCA), estima que, entre 2018 e 2019, surjam, somente no país, 600 mil casos novos de câncer em cada ano.

Esses dados são assustadores, não são?

Mas e se eu disser que 80% a 90% dos casos de câncer estão associados a fatores ambientais e podem ser evitados? Surpreendente? Pois é exatamente isso que diz a OMS, o INCA e o Instituto de Pesquisas do Câncer do Reino Unido! Segundo eles, um terço de todos os cânceres têm quatro fatores de risco principais: tabagismo, hábitos alimentares e obesidade, consumo de álcool e sedentarismo. Isso mostra que, apesar de alguns tipos de câncer de fato possuírem componentes genéticos, são principalmente as nossas escolhas diárias no presente que irão influenciar as nossas chances de vir a desenvolver um câncer no futuro.

Assim, muito mais do que assustadores, esses dados devem ser empoderadores, pois eles mostram que podemos fazer a nossa parte para prevenir o aparecimento dessa doença!

Mas afinal, o que precisamos fazer para nos proteger do câncer?

Além de uma alimentação equilibrada e do baixo consumo de bebidas alcoólicas, a OMS recomenda a prática de 150 minutos semanais de atividade aeróbia de intensidade moderada ou 75 minutos de atividades de alta intensidade. Segundo eles, o exercício promove o equilíbrio dos hormônios, reduz o tempo de trânsito gastrointestinal, fortalece as defesas do corpo e ajuda a manter o peso corporal adequado. Com isso, contribui para a manutenção de uma vida mais saudável e para a prevenção de diversos tipos de câncer.

Mas e para aqueles que já estão sofrendo com essa doença?

Se você tem algum conhecido que já teve câncer ou se você mesmo já enfrentou esse problema, sabe que o tratamento é extremamente agressivo e que traz uma série de efeitos colaterais. Isso acontece porque os medicamentos utilizados contra o câncer (quimioterapia) não são específicos, ou seja, atacam tanto as células do tumor quanto as células saudáveis do nosso corpo. Como resultado, os pacientes experimentam mudanças fisiológicas e psicossociais significativas que podem afetar sua qualidade de vida. A boa notícia é que o exercício físico foi identificado como uma intervenção benéfica contra alguns dos efeitos colaterais do tratamento.

Mas como o exercício pode contribuir para a saúde do paciente durante o tratamento?

Estudos mostram que um dos principais benefícios do exercício está relacionado com a melhora da capacidade física geral do paciente, fazendo com que ele lide melhor com a fadiga gerada pela quimioterapia. Somado a isso, o exercício age contra a depressão vivenciada durante o tratamento e melhora a autoestima dos pacientes, além de melhora o sistema imune, reduzindo o risco de infecções. Assim, o exercício melhora a resposta do paciente ao tratamento e pode, inclusive, aumentar as suas chances de cura. Em função desses benefícios, atualmente as principais organizações mundiais de combate ao câncer estão incluindo nas suas recomendações a prática regular de exercício físico para os pacientes com câncer.

Outra boa notícia é que além de melhorar a qualidade de vida do paciente durante o tratamento, a prática regular de atividade física pode reduzir em até 50% as chances de recidiva, ou seja, a possibilidade da doença se manifestar novamente no paciente.

Como exemplo, podemos citar um estudo que concluiu que altos níveis de atividade física no lazer estão associados a riscos significativamente menores de desenvolvimento de 10 tipos diferentes de câncer, dentre eles os cânceres de próstata e mama, os dois tipos mais frequentes em homens e mulheres, respectivamente, no Brasil. Outro estudo demonstrou que mulheres que tiveram câncer de mama e começaram a caminhar por pelo menos 30 minutos 5 x na semana apresentaram cerca de 60% de redução do risco de retorno da doença. Os mecanismos pelos quais o exercício diminui as chances de surgimento de um novo câncer não estão totalmente esclarecidos, mas acredita-se que estejam relacionados ao controle hormonal, como por exemplo, a redução dos níveis de insulina, e a diminuição da resposta inflamatória. Esses efeitos do exercício protegem nosso corpo contra a multiplicação de células malignas.

Como você pode perceber, a prática regular de exercícios físicos é importante na prevenção de diversos tipos de câncer e também traz benefícios para aqueles que sofrem com essa doença. Por isso, a partir de hoje, quando você ouvir falar em câncer, não tenha medo do inimigo, lembre-se que a prevenção está em suas mãos e que o exercício físico é uma das armas que você pode utilizar para se proteger e enfrentar essa doença da melhor forma possível.

Naiandra Dittrich – Doutora em Educação Física pela UFSC

REFERÊNCIAS

FRIEDENREICH, C.M., SHAW, E., NEILSON, H.K., BRENNER, D.R. Epidemiology and biology of physical activity and cancer recurrence. Journal of molecular medicine, v. 95, n.10, p.1029-1041, 2017.

INCA. Estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil. SAÚDE, C. D. P. E. V. M. D. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, 2015.

SEGAL, R., ZWAAL, C., GREEN, E. Exercise for people with cancer: a clinical practice guideline. Current oncology, v. 24, n.1, p.40-46, 2017.

SIEGEL, R. L.; MILLER, K. D.; JEMAL, A. Cancer statistics, 2016. CA: A Cancer Journal for Clinicians, v. 66, n. 1, p. 7-30, 2016.

STEWART, B. W.; WILD, C. P., editors. World Cancer Report 2014. Lyon, France: International Agency for Research on Cancer, 2014.

TOMLINSON, D., DIORIO, C., BEYENE, J., SUNG, L. Effect of exercise on cancer related fatigue: a meta-analysis. American Journal of physical medicine & Rehabilitation, v. 93, n. 8, 2014.

Open chat
1
Seja bem-vindo, podemos ajudar?