O PROCESSO DE EMAGRECIMENTO

O PROCESSO DE EMAGRECIMENTO

Em nosso cotidiano estamos envolvidos com uma série de atividades e mal temos tempo para sentarmos calmamente, escolhermos nossa alimentação e equilibrá-la com qualidade e com uma rotina de exercícios físicos. A nutrição e o exercício físico são muito importantes na questão do emagrecimento, entretanto, fatores psicológicos e culturais também estão envolvidos, já que estes constituem a personalidade de uma pessoa com dificuldades para emagrecer.

Nossa sociedade estabelece que uma pessoa acima do peso, mesmo sendo saudável e ativa, é aquela que está fora dos padrões estéticos de beleza, que caracterizam o belo como sendo o magro, o esbelto.

Juntamente a isso há toda uma rotulação e um preconceito em relação ao “estar gordo”. Assim, a pessoa é “lançada” a uma exigência social de que deve fazer uma dieta para emagrecer e manter o peso “ideal”, determinado pelo social. Ou seja, o ser magro é imposto pela sociedade como um dever-ser.

Essa questão cultural acaba “jogando” a pessoa numa grande ansiedade e numa relação de “corredor” com o emagrecimento, fazendo com que só pense em alimentação e dietas. Ela acaba sendo “engolida” pela situação, se “move” por ela, só fala dela e com isso acaba não tomando uma “distância” crítica e necessária para se posicionar frente à comida. Como conseqüência, pode sentir cada vez mais vontade de comer, acaba comendo e assim rompe com sua dieta ou a manutenção desta, ficando cada vez mais distante do seu desejo de ser magra.

Outro aspecto cultural implicado nessa questão é a noção “mágica”, imediatista, de que simplesmente pelo fato de começar uma dieta ou diminuir a quantidade de alimentos em pouco tempo estará magra e, como isso dificilmente acontece, se desmotiva e se sente incapaz de ser quem deseja. Esquece que houve todo um processo que envolveu tempo e ações para engordar. A relação com o emagrecimento se dá da mesma forma. É necessário agir para que ele ocorra e isso implica em tempo e ações posicionadas na direção de seu objetivo, na medida em que é um processo de emagrecimento.

O acompanhamento psicológico proporciona à pessoa reflexões a respeito do corpo que ela tem e que deseja ter, como ela quer ser e estar no futuro, dentro de suas possibilidades reais. Também, procura auxiliar na manutenção da rotina dos exercícios, na manutenção dos resultados da dieta nutricional e médica, fazendo com que ela se reconheça como podendo ser magra dentro das suas especificidades.

Assim, ela pode fazer um caminho mais seguro necessário ao emagrecimento que tanto deseja. A pessoa passa a ter motivos para agir na direção que escolheu e, assim, emagrecer, permitindo-se um futuro no qual ela se veja saudável e satisfeita, inclusive, esteticamente.

Geórgia Bunn é Psicóloga clínica formada pela Univali e especialista em Existencialismo Sartreano pela Unisul.